Um dia como hoje, mas há 3 anos atrás… 1 de Fevereiro de 2013, chegava eu ao Chile de armas e bagagens!

Era uma sexta-feira e na segunda-feira já começava a trabalhar.

Lembro-me perfeitamente de sentir o calor que traspassava pelos meus leggings pretos quando cheguei… a desargadável sensação depois de uma viagem de 18 horas de só querer tomar um banho e dormir uma sesta!

O Tiago estava à minha espera no aeroporto e fomos directos para o apartamento dele.
Era um bonito e caloroso apartamento no edificio de uma das melhores geladarias de Santiago, cheio de plantas, com vista para o Parque Florestal e o Sol a bater na janela toda a tarde, no bairro que sería a nossa a casa permanente durante estes 3 anos!

Bem-vinda ao Hemisfério Sul e ao Verão em Fevereiro!

O Tiago tinha vindo no final de Setembro de 2012 com o programa Startup Chile. Tinha deixado o seu trabalho de toda a vida numa consultora em Portugal para dedicar-se a um novo projecto, EasyVino, uma aplicação de recomendação de vinhos.

E aqui estavamos os dois finalmente, sem saber se o projecto dele ia dar certo, nem se eu ia gostar do meu novo trabalho, nem se dali a 1 ano íamos continuar no Chile.

E já lá vão 3 anos…

O meu primeiro trabalho no Chile foi na Deloitte, como Consultora de Risco de Crédito.

Mas para conseguir chegar cá em Fevereiro já com visto e com trabalho houve um arduo trabalho durante os 4 meses anteriores – sim, os processos cá são longos e lentos!

Mas há várias coisas que deves saber se quiseres procurar trabalho no Chile:

1 – Como deve ser o Currículo
  • O CV deve ser em espanhol (a menos que peço noutro idioma), incluir os dados profissionais no topo, dados de contacto, nacionalidade, uma morada local (de preferencia) e um contacto local. Não é obrigatório pôr fotografia – até pode ficar mal visto.
  • Não se utiliza o formato Europass, deves eliminar todas as referências a isso, porque as pessoas nem vão entender o que é.
  • Tenta pôr um contacto de telefone local (+56). Se não tens nenhum amigo cá que possa atender as chamadas por ti, podes usar um serviço como Local Phone que te derivam as chamadas ao teu número local.
  • Inclui também o teu Skype id para que possas avançar nos processos de recrutamento à distância e está atento ao email.
  • Não apagues os 1000 mestrados, nem as 500 posgraduações que tens com medo de ficar sobrequalificado – no Chile a educação é cara e não acessível a toda a gente, por esse motivo, cada título que tenhas se valorará.
  • Saber português e inglês pode ser uma grande vantagem competitiva e a formação “europeia” está muito bem valorada também.

 

2 – O Linkedin será o teu melhor amigo!

Actualiza o teu Currículo no Linkedin, em vários idiomas (especialmente espanhol!).
Aqui no Chile o recrutamento vía Linkedin funciona muito bem!
Para o meu último trabalho fui contactada pelo Linkedin e conheço vários amigos mais que lhes passou o mesmo.

LinkedIn_Logo.svg

3 – Em que colégio andaste?

E o que fazem os teus pais? Que idade têm? Tens irmãos? O que fazem? E o teu namorado? Em que trabalha? Estão casados?
“ – Qué te importa!!?”

Prepara-te para que te façam perguntas… bastantes invasivas ou pelo menos estranhas para nós!
No Chile, são perguntas normais de recrutamento… e se apanhas um recrutador (sem dois dedos de testa) vão te perguntar todas essas coisas na mesma, mesmo que as respostas sejam coisas como: “Escola C+S da Campanhã”, “Professor do 2° ciclo”, “Calceteiro”, etc e não lhes diga absolutamente nada.

Mas se tiveres um colégio com nome “pomposo-religioso” para pôr no CV, só tens a ganhar em escrevê-lo!

 

4 – Empresas internacionais? Ou locais? Ou portuguesas?

As empresas internacionais estão mais habituadas a fazer os vistos de trabalho para estrangeiros e podem ser uma vantagem no teu CV. Há muito boas empresas internacionais que têm dificuldade em encontrar recursos capacitados cá, por isso pode ser uma muito boa oportunidade de entrar em uma delas no Chile.

Mas também há muito boas e grandes empresas locais habituadas a estrangeiros – especialmente a Brasileiros e Argentinos.
Há uma comunidade interessante de Startups , muitas internacionais que procuram perfis de programadores, designers, marketing e comerciais.

E porque não procurar empresas portuguesas que estejam no Chile?

 

5 – Portais de emprego

A página número 1 para procurar trabalho no Chile é: http://www.trabajando.cl/

Tip: Nem todas as ofertas dizem os valores salariais, mas se usares os filtros eles funcionam 😉 (mesmo para que omitem esse dado!!)

Trabajando
E estas são outras páginas que também deves olhar:

https://www.firstjob.me/

http://www.laborum.cl/
http://www.chiletrabajos.cl/
http://www.universiaempleo.cl/
http://www.bumeran.cl/
https://chile.trabajos.com/
https://www.zonajobs.cl/p/
http://www.buscojobs.cl/
http://www.computrabajo.cl/

Dependendo da tua área, seguramente há páginas mais específicas. Uma forma de encontrares os portais de emprego correctos é procurando no Google “empleo <àrea> Chile”, ou “trabajo <àrea> Chile”.

Algumas destas páginas vão pedir um RUT para te registares.
O RUT é o número de identificação chileno que tem 9 dígitos e o seguinte formato: XX.XXX.XXX-X

Se ainda não tens RUT para registarte na página, inventa um!

Tip: ideal que comece por 24.XXX.XXX-X porque os estrangeiros têm RUTs que começam por esses dígitos e todos devem ser númericos.

 

6 – Quais são as suas expectativas de remuneração?

Em muitos portais para candidatar-se às ofertas fazem-te umas perguntas – trata de responder o mais adaptado possível à posição a que estás a candidatar-te -, e no meio o mais provável é que te perguntem sobre “Quais são as tuas expectativas salariais?”

Em Portugal estamos muito habituados a fugir a esta pergunta com respostas vagas do tipo “a mim o que me interessa é oportunidade, bla bla bla”.
No Chile, no entanto, é um pouco diferente e algumas páginas não te deixam se quer terminar a candidatura se não expões o valor.

Por isso é importante conhecer o valor de mercado para determinada posição – procura a tua posição num estudo como este: Guia Salarial – e adapta a tua experiência, idiomas, etc.

 

7 – Head Hunters e recrutadoras

Procura no Linkedin e adiciona as pessoas que recrutem na tua área: Michael Page, Robert Half, Randstad, BMV Consultores, Hays, America B&B, Intertrust, Humanitas Chile, etc

Procura “Headhunter” e filtra por Chile no Linkedin ou procura o mesmo no Google para encontrar headhunter mais específicos para a tua área.

 

8 – Vistos

Tema muito importante e cheio de nuances e particularidades. Assim que me vou limitar à minha experiência e conhecimento.

Quando estava à procura de trabalho não sabia nada, perguntei ao Consulado do Chile em Portugal e informaram-me textualmente o seguinte:

Para o visto de trabalho tem de apresentar os seguintes documentos, que tem de ser enviados digitalizados para o email do consulado. Os documentos são:
– CARTA DA EMPRESA DIRIGIDA AO CÔNSUL EXPLICANDO A CONTRATAÇÃO,
– CONTRATO DE TRABALHO LEGALIZADO ANTE NOTARIO E CARIMBADO PELO MINISTERIO DE RELACIONES EXTERIORES NO CHILE (original e copias correspondentes que vai firmar em este Consulado),
– SEGURO DE VIAGEM (tem de mencionar o Chile como destino e cobrir despesas médicas);
– CERTIFICADO MÉDICO EM COMO NÃO TEM DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS;
– PASSAPORTE VÁLIDO (com 6 meses a mais a partir da data final da viagem);
– REGISTO CRIMINAL;
– DATAS DA VIAGEM,
– 1 FOTOGRAFIA FONDO BRANCO (JPG).

Nesse momento, nem sabia que havia vários tipos de visto para poder trabalhar.

Pedí à Deloitte que me enviásse o contrato por correio para Portugal com os carimbos requeridos e enviei os restantes documentos solicitados. Quase 2 meses depois… lá saiu o visto para ir para o Chile. Tinha o visto “sujeto a contrato”.

Também podes fazer o visto “sujeto a contrato” desde o Chile enviando os documentos por correio aqui especificado.

 

Vantagens do Visto Sujeto a contrato:

– Inclui um bilhete de volta ao país de origem ou outro sítio acordado quer te despeçam, quer sejas despedido. Atenção com o “outro sitio acordado”: a Deloitte põe por default Mendoza que é a cidade argentina mais próxima da fronteira;
– Dura 2 anos, mas só ao fim dos 2 anos podes pedir o Visto de Permanência Definitiva que dura 5 anos.

Desvantagens do Visto Sujeto a contrato:

– Permite trabalhar só com o empregador que te enviou o contrato – isto significa que se quiseres mudar de trabalho terás de fazer um novo visto de trabalho e é um processo que demora;
– Só se pode fazer com um contrato de trabalho.

RUT chileno

No entanto o visto que aconselho, especialmente para um primeiro trabalho – em que não sabes se vai ser o ideal ou não – é o “Visto Temporário”.

Vantagens do Visto Temporário:

– Permite mudar de empregador sem teres de fazer um novo visto;
– Não precisas de um contrato de trabalho para consegui-lo – basta uma “Carta Oferta Legalizada” que não tem de se efectivar – tu podes depois mudar de ideias e não aceitar a oferta com esse empregador e o visto continua a ser válido.

Desvantagens do Visto Temporario:

– Dura só 1 ano – mas ao fim de 1 ano podes candidatar-te ao Visto de Permanencia Definitiva que dura 5 anos!
– Não inclui nenhuma viagem de regresso a casa!

 

9 – Provavelmente, a cláusula mais importante do teu contrato

A cláusula mais importante do teu contrato é a que te vai permitir, quando um dia fores embora do Chile, a devolução do dinheiro da AFP.

A AFP é a Administradora do Fundo de Pensões privado para o qual descontas, para um dia quando te reformares receberes algo.

Se cumprires com as seguintes condições poderás solicitar a devolução desse dinheiro ou simplesmente não descontá-lo:

  • Ser “Técnicos-Profissionais” – isto é contar com um título profissional (um curso superior, por exemplo) devidamente legalizado e traduzido  pelo Ministérios de Relações Exteriores.
  • Certificar que tens um sistema de pensões/segurança social que suporte “velhice, doenca, invalidez e morte”
  • A famosa cláusula que: expresse a vontade do trabalhador em manter a afiliação na seguranca social no país de origem. – Se não tens essa cláusula, não há drama, podes fazê-la como um anexo ao contrato de trabalho.

Aqui copío um exemplo da cláusula:
“El trabajador declara expresamente su intención de mantener el régimen de pensiones de su país de origen.
Para los efectos de lo señalado en la clausula anterior y en la presente, el trabajador acreditará dentro de los próximos X días hábiles su calidad de Técnico en la materia para la cual es contratado y que el Régimen Previsional de su país de origen cumple con los requisitos de cobertura en casos de enfermedad, invalidez, vejez y muerte, conforme lo dispuesto en la ley 18.156.
Si lo dispuesto en el párrafo anterior no fuere cumplido por el Trabajador dentro del plazo señalado, el empleador se entenderá facultado para enterar las cotizaciones previsionales y de salud en el sistema previsional chileno.”

 

10 – Algumas estratégias para procurar trabalho:
  •  Enviar CV massivamente para todos as posições em que aches que possas encaixar nos portais de emprego – mesmo que não tenhas interesse, começar a ter entrevistas, perceber o que perguntam, aprender vocabulário local, perceber o que não entendem quando tu falas, vai ajudar-te quando estiveres “naquela entrevista” para o trabalho que tanto queres.
  • Caso ainda não estejas no Chile, como foi o meu caso, programar uma viagem de uma semana ou duas ao destino – se conseguires isto é o ideal! Assim consegues dizer nas chamadas telefónicas que estás de viagem neste momento, mas que nas datas X vais estar lá e disponível para fazer entrevistas pessoais – em algumas empresas ainda são muito importantes!! Eu usei esta estratégia e na semana que estive no Chile em Novembro consegui ir a umas 5 entrevistas presenciais “pre-agendadas”.
  • Atenção: Não marques essa viagem entre Dezembro e Fevereiro (especialmente Fevereiro), é o Verão cá e muitos “chefes” estão de férias, o mercado mais parado e não se fazem tantos recrutamentos.
  • Quando vires numa página de “ofertas de trabalho” uma oferta que gostas, procura a página da empresa e tenta candidatar-te directamente pela página também, procura no Linkedin pessoas que trabalhem nessa empresa para ver se consegues chegar directamente ao “chefe” dessa posição. Vários amigos aplicaram esta estratégia e foram muito bem sucedidos.
  • Procurar no Linkedin perfis parecidos com o teu e ver como se descrevem e descrevem as suas funções – o vocabulário varia de país para país.
  • Procurar no Linkedin portugueses que trabalhem no Chile, grupos de Portugueses no Chile no Facebook e portugueses no que estejam no Chile no InterNations.org – esses grupos/pessoas normalmente vão poder ajudar-te com as dúvidas que tens e talvez saibam de alguma oferta de trabalho interessante para ti.
  • Bater porta a porta – nem todas as empresas estão abertas, mas tenho uma amiga arquitecta que conseguiu o seu primeiro trabalho dessa forma.
  • Aumenta a tua rede de contactos no Linkedin, adicionando contactos de Head Hunters, recrutadores e pessoas de Recursos Humanos das empresas que te interessam.
Boa Sorte!!

 

Se tiveres usado outra estratégia que tenha funcionado partilha também!
Written by racingmackerel
Portuguesa, Expat, viajeira apaixonada. Extrovertida, Sensorial, Emocional e Percetiva. Financeira de profissão. Psicóloga por curiosidade. Emigrante e viajante por paixão. Idioma: portuñol.