Não sei em que momento da nossa existência pusemos na cabeça que no parque de Huilo Huilo havia Araucarias…
Mas vinhamos todos mentalizados que íamos abraçar árvores!!!

Imaginávamos o Huilo huilo como vemos nas fotos… Um bosque encantado onde lá perdido pelo meio encontraríamos os famosos hotéis de madeira que parece que vêm directos de contos de fadas…

A verdade é que…

Hummm os famosos hotéis não são tãããooo bonitos como imaginávamos!
São há beira da estrada, o que nos surpreendeu logo para começar! E o Hotel Montaña Mágica que se vê tão mágico nas fotos… Em realidade parece abandonado e cheio de ervas daninhas…

dsc_1464-01

O outro, o Nothofagus está mais ou menos… Melhor que o Montaña Mágica, mas em estado de conservação nada extraordinário!! O bosque (ou “vosque”, como dizem os chilenos) à volta não pareceu tão verdejante como nas fotos e também está à beira da estrada!

 

dsc_1431-01

dsc_1435-01
O mágico ali… Foi mesmo, sem dar nos conta, entrar pelos passadiços de madeira ( que parece que eram “sólo para huéspedes”, ou seja, grátis) que nos levaram até ao Salto La Leona!
O caminho é fácil, aliás, todas trilhas que fizemos foram fáceis, “familiares” como eles dizem, e valem muito a pena!

dsc_1442-01

dsc_1460-01

dsc_1446-01

dsc_1463-01

Depois do passeio até ao Salto La Leona almoçámos em Puerto Fuy. De este porto sai um barco que te leva até à fronteira com a Argentina!

dsc_1474-01

 

Mas como o nosso objectivo era abraçar a Araucanía e ainda não tínhamos visto nenhuma, lá perguntamos a um senhor onde é que no Huilo Huilo podíamos encontrar as famosas árvores!

O simpático senhor, interrompeu a lavagem do seu “auto” para nos explicar melhor…
– Ahhh no hay! Aquí no hay!! El parque de Huilo Huilo es todo privado! Ni se puede entrar… Auracarias podrán encontrar en “Choshuenco”! – neste momento, o senhor pareceu-nos que estava a imitar o Jorge Jesus quando dice “oitchentcha-otcho”, pois o nome do “pueblo”, era algo parecido…
Em que?? Mais um nome impronunciável… Como vamos dar com o pueblo?!
E aí percebemos melhor como funcionava… O Parque é privado, só permite acesso em alguns pontos específicos e algumas trilhas autoguiadas. Todo o resto do parque ou não se pode aceder ou só se pode aceder com tours autorizados (vendidos nos famosos hotéis)… E Auracarias no Huilo huilo… Pois isso foi imaginação nossa!

Já de regresso, a caminho de Choshuenco, à caça das Araucarias, encontrámos um acesso ao Parque! Através de esse acesso pode fazer se a trilha até ao salto de Huilo Huilo e ao salto del Puma.
Como as trilhas eram fáceis e disseram nos que demoravam como 1 hora, lá fomos! Ainda daría tempo para ir a Choshuenco que ficava dali a 20km!

Vale a pena!! Pagámos 3 lucas cada um. Mas é bonito o passeio e os saltos impressionantes.

dsc_1484-01

dsc_1528-01

dsc_1511-01

dsc_1508-01

dsc_1505-01

dsc_1534-01

dsc_1543-01

dsc_1540-01

dsc_1549-01

dsc_1554-01

 

Mas o nosso objectivo era inamovível!

Queriamos abraçar a Araucanía! Então lá fomos para Choshuenco!

Subimos, subimos…

Sim, que as Auracarias ficámos a saber que se dão mais em ambientes mais frios, a mais altitude…

Continuámos a subir…

Até que nos cruzamos com uma carrinha que nos disse que já estávamos a chegar ao refúgio e ao mirador!

Continuamos…

Auracarias, nem vê las…

Mas o mirador e o caminho brindou nos com estas vistas para o vulcão Mocho Choshuenco (desafio o Jorge Jesus para pronunciar o nome deste vulcão!) e para o Lago Rinihue.

dsc_1566-01

dsc_1578-01

 

E foi isto… Lição aprendida! Não há Auracarias no Huilo Huilo! Dizem que há em Villarrica, em Angol, em muitos sítios mas não ali!!!
Ahhh, mas como não sou discriminadora e eu vinha era para abraçar árvores, agarrei-me ao primeiro Pinheiro que vi que também merecia um abraço, porque não! 🙂

dsc_1485-01

 

Written by racingmackerel
Portuguesa, Expat, viajeira apaixonada. Extrovertida, Sensorial, Emocional e Percetiva. Financeira de profissão. Psicóloga por curiosidade. Emigrante e viajante por paixão. Idioma: portuñol.