Porque as melhores histórias são as que realmente aconteceram quero partilhar esta história real dos tetra-avós da minha amiga Ale!

Tem a ver com viagens!  Viagens de outros tempos,  viagens de pessoas que emigraram como eu… Por isso gosto tanto desta história tão especial!

Conhecí a Ale no trabalho, sentava-se ao meu lado… e com o passar do tempo e o desenvolver da amizade fui conhecendo a história da família da Ale.

Que eu gosto do tema da emigração já não é segredo para ninguém!

Mas conhecer essa história pela boca da 4ª geração de uma família italiana que chegou ao Chile no fim do século XIX tem sem dúvida outro encanto!

A Ale já me tinha contado alguns excertos da história da sua família e sempre me fascinou! Mas um dia fomos jantar e ela lembra-se que a sua Avó até escreveu um livro com essa história e emprestou-me!

Devorei o livro numa noite!!!

Se hoje em dia há quem diga que para emigrar é preciso coragem…

Então não sei o que era preciso para emigrar nos tempos dos nossos avós e menos consigo imaginar o que sería isso no tempo dos nossos tetra-avós!

A Avó Olga, la nonna, ou Chinchin como lhe chamavam, fez-me viajar no tempo com o livro que escreveu, imaginar um Chile virgem e cheio de sonhos.

Fez-me viajar de barco meses até ao fim do mundo e sonhar anos com reencontros na esperança e sacrifício por uma vida melhor.

Viajei aos anos 90, mas de 1800:

Romolo (o avô de la nonna Olga, tetra-avô da Ale!) tería pelo menos uns 32 anos, não se sabe ao certo, e chegava à terra prometida possivelmente com o irmão. Deixava para trás a namorada Lucía, a família, o seu maestro sapateiro que tudo lhe ensinou e a sua bella Toscana

Tinha embarcado 2 meses antes numa viagem de barco que o levaría do porto de Génova, em Itália, rumo ao desconhecido.

Um barco cheio de outros aventureiros como ele, que deixávam para trás as famílias em busca do futuro prometedor que Itália não podía garantir (sim, que já todos fomos pobres e já não nos lembramos!). Ao desconhecido Novo Mundo para onde emigravam as famílias em cadeia. Primeiro ía um membro da família ver como era, o mais valente… e quando estivesse instalado e tivesse conseguido poupar o suficiente para pagar o bilhete de volta, lá voltava!

Isso foi o que aconteceu com Romolo estima-se que uns 8 anos depois.

Imaginem… 8 anos depois, aos seus 40 anos, embarcava de volta para Itália. Com os ensinamentos do seu maestro tinha conseguido montar uma bem sucedida sapateria em Valparaíso!

Ao fim de 8 anos tinha conseguido poupar o suficiente para poder regressar e poder trazer a sua amada Lucía em primeira classe no barco de volta com quem se correspondía alimentando essa esperança que finalmente chegava. Finalmente, podería ir buscá-la, estar juntos, construir a família que sempre sonhou nestas terras prosperas e cheias de oportunidades.

Romolo viajou em terceira classe por última vez de volta a Itália, na sua vida.

Uma viagem de mais de 2 meses acompanhado de outros tantos italianos que íam buscar as suas famílias igual que ele, outros tantos que não lhes tinha ido tão bem e finalmente tinham conseguido poupar para o seu bilhete de volta e outros tantos que nunca se adaptaram ao clima diferente, ao idioma, às comidas e cheiros diferentes.

Ao fim e ao cabo, emigrar nunca foi para todos!

Era 21 de janeiro de 1896 e Romolo voltava a respirar o ar das “Europas”, voltava a ver a sua família, o seu apreciado maestro que podía estar orgulhoso de como lhe tinha ido bem a Romolo e re-encontrar a sua amada Lucía.

Mas nestes tempos, a vida era tudo menos fácil.

Romolo chega sem imaginar que em 2 meses a vida muda, o seu mundo muda e nada voltará a ser como antes.

8 anos foi demasiado tempo, mas 2 meses dentro do barco foram suficientes para não sabê-lo… Lucía, a sua amada, a razão da sua volta a Itália, tinha morrido. Tinha morrido há pouco mais de um mês de tuberculose.

Mas a vida nesses tempos também era outra.

A família de Lucía, de luto, ao deparar-se com Romolo ali desolado… ofereceu-lhe a mão da irmã mais nova de Lucía, a Irene.

E foi assim que Romolo voltou para o Chile, já casado, com a irmã mais nova do amor da sua vida.

Irene em pouco tempo perdeu a irmã, casou com um homem com quase o dobro da sua idade, viu o mar por primeira vez na sua vida e embarcou numa viagem aos 21 anos sem imaginar onde ía chegar, nem como sería a sua vida, nem que ao despedir-se da sua mãe na estação de Firenze, no dia que sería a última vez que a vería, era também a última vez que pisava Itália – sem internet, nem googlemaps, nem telemóveis, nem imagem nenhuma na sua cabeça!

O que normalmente eram 2 meses de viagem, transformaram-se em 3 devido à “calma equatorial” e a que uma hélice se partiu… Finalmente foram resgatados por um barco inglês e tiveram que viajar sem as comodidades que tinham pago no outro barco.

O que era uma travessía do Atlântico para uns que ficavam logo nos primeiros portos no Brasil, no Uruguai, na Argentina, para ela não era nem metade da viagem…

Ainda tinha de contornar todo o continente bem ao Sul, não havía canal do Panamá (só se inaugurou em 1914!), passar pelos ventos fríos do Estreito de Magalhães e subir toda a costa chilena até Valparaíso.

E o que era um casal recém casado embarcado numa viagem para o Novo Mundo, já era uma família pois ao desembarcar Irene já carregava dentro dela o seu primeiro filho.

Valparaíso…

O barco aproximava-se e Irene avistava o porto que a acolhia, o principal porto do Pacífico da América do Sul.

Valparaíso chamava-se assim por ser um Vale precisamente, rodeado de montanhas verdes, palmeiras chilenas pelos cerros e cascatas que desciam até ao mar, com um centro pavimentado e farolas a gás, sem carros ainda, só charretes puxadas por cavalos, mas já com um par de funiculares que transportavam as pessoas ao cimo dos cerros a essas Igrejas, casas e jardins de inmigrantes ingleses e alemães que ainda hoje se podem encontrar.

Parte de esse centro foi conquistado ao mar, à semelhança de Lisboa, e até aos dias de hoje essa cidade plantada à beira mar continua a ser comparada com a nossa capital portuguesa.

Pensar que Valparaíso albergava então uma comunidade de mais de 2.500 imigrante italianos!

(Só em Valparaíso! Eram imensos!!! Mais se penso que hoje em dia a comunidade de portugueses em todo o Chile não excede as 500 pessoas!)

Nascia 6 meses depois Atilio, e passado um ano Luís (o pai de la nonna, o bisavô da Ale), e quatro anos mais tarde Yolanda.

Vivia-se a prosperidade de uma família completa, um negócio exitoso numa terra de oportunidades, uma felicidade só abalável pelo terrível terramoto de esse frio Inverno de Agosto de 1906.

Foram 4 minutos agitados, um ruído infernal que vinha do interior da terra, o céu ficou avermelhado, ouviam-se gritos por todas as partes e uma nuvem de pó não permitia ver os incêndios que se propagavam.

Cortaram-se os telefones, o telegramo, os caminhos e só 3 dias depois chegou um cavaleiro a Santiago a avisar da destruição completa do tão belo porto de Valparaíso.

Esse dia marcou a vida dos porteños para sempre.

Felizmente, a casa de Romolo e Irene aguentou-se, a sapatería serviu de abrigo nos dias que se seguiram e puderam retomar as suas vidas aos poucos e um ano depois sacaram esta fotografia profissional, sem sonhar que sería mais de um século depois capa de um Racconto Familiar escrito pela sua neta Chinchin.

 

 

A vida transcorria pelo meio da reconstrução de Valparaíso até que um dia sem que ninguém pudesse anticipar Romolo morre subitamente aos seus 56 anos, ao meio dia de 23 de Outubro de 1911.

Irene, ficou viúva aos seus 36 anos com 3 filhos pequenos e sem qualquer conhecimento que lhe pudesse valer para seguir o negócio do marido, refugiando-se nos “qué-haceres” da casa e da cozinha para manter a sua sanidade.

Luís, o pai de la nonna de Ale, teve de prescindir do seu sonho de ser marinheiro e pôr-se a trabalhar. Atilio, teve de trabalhar também.

E a amizade com uma tal familia Mack de origem catalãn que abriu em 1916 um alfaiate no porto de Valparaíso resultou em vários casamentos na familia, um deles o de Luís com Olga Mack, a mãe de la nonna, a bisavó da Ale.

Chinchin, a avó da Ale recorda-se da sua avó a viver com a sua tia Yolanda. Mais tarde trasladaram a Irene à sua casa devido a um problema de saúde do marido de Yolanda, sempre seguindo a sua rotina na sombra, cozinhando, tecendo xailes, sapatitos para os netos, falando italiano…

Até que aos seus quase 90 anos, sem nenhum documento que a identificásse em Chile, morre em Novembro de 1963 a última italiana da familia.

 

Written by racingmackerel
Portuguesa, Expat, viajeira apaixonada. Extrovertida, Sensorial, Emocional e Percetiva. Financeira de profissão. Psicóloga por curiosidade. Emigrante e viajante por paixão. Idioma: portuñol.