Na passada segunda-feira assinou-se o acordo de Paz entre o Governo Colombiano e as FARC (Forzas Armadas Revolucionárias Colombianas).

As FARC remontam aos tempos da Guerra Fria, Comunistas contra Capitalistas, um clássico da nossa história.

O grupo começou há uns 50 anos, com uma ideologia socialista, um grupo de campesinos que tomou as armas como resposta aos abusos dos oligarcas. Contudo, o que era um grupo com enorme apoio popular, que defendia o povo, lutavam pelas suas causas… foi pelo caminho do mal… Das armas às drogas foi um “tirinho”, dos pobres honestos campesinos à plantação de coca, foi fácil o desvio que levou a um financiamento exponencial …

Foram mais de 50 anos de violença, sangue, sequestros, violações, bombas, mortes, chantagens, tráficos ilegais, lutas de poder… tudo pelo bem do povo… até que já não havia povo que os defende-se… (parece que ainda há… algum povo, que vive remotamente, sob o comando deste “Exército do Povo” e baixo as suas leis e moedas de troca).

E neste mundo ao contrário, em que os bons se tornam maus, os defensores em ofensores, simplesmente todos buscam a Paz… mas não da mesma forma.

Neste mundo ao contrário, primeiro decide-se e uma semana depois pergunta-se à população “O que te pareceu?”.

Aterrei hoje em Medellín, o dia em que se votará pelo “SI” (à Paz) ou pelo “NO” (à Paz? ao Acordo?)…

Certo é que tanto os que votam pelo SI, ou pelo NO, todos SI querem a Paz!

Nem os que votam pelo SI, nem os que votam pelo NO, ninguém sabe o que acontece se ganha o NO.

E muitos acham impossível que não ganhe o SI, afinal… a decisão já foi tomada há uma semana… que diferença faz?

Ganhar o NO é o descrédito total do governo actual, do acordo a que se chegou depois de 4 anos de negociações, uma vergonha para o actual presidente, uma incógnita, uma revolta para as FARC que acedeu a assinar um acordo e entregar o armamento…

Ganhar o SI é assumir ordenadamente que as FARC fazem parte do sistema, que têm de fazer (os amigos tem-nos perto, os inimigos mais perto ainda), que os guerrilheiros vão perder os seus “empregos” e por isso recebem um subsídio, é o perdão por um passado imperdoável, injusto, mas controlado…

Não há SI sem custo, nem NO gratis.

Eu quero a Paz também, a este país lindo que agora me acolhe só posso desejar a Paz.

Written by racingmackerel
Portuguesa, Expat, viajeira apaixonada. Extrovertida, Sensorial, Emocional e Percetiva. Financeira de profissão. Psicóloga por curiosidade. Emigrante e viajante por paixão. Idioma: portuñol.